Cultura, informação e bem estar.

Emoção e lutas, Fernando há seis anos decidiu adotar dois filhos

Ter um lar, suporte, receber amor, carinho e educação são motivos de muita alegria para os irmãos. Fernando-e-filhos

“Você está doido?”. “Vai estragar a sua vida!”. “Não vai dar conta”. Essas foram frases que o terapeuta holístico Fernando Caetano, de 43 anos, contou ter escutado das pessoas quando falou do desejo de adotar.  Ele é o segundo personagem da série de histórias sobre paternidades exemplares contadas pela Prefeitura de Araguaína neste mês dos pais.

Fernando lembra que as críticas não foram empecilhos para tomar a decisão que mudou sua vida, em 2017. “Eu sempre fui muito corajoso, porque, junto dos problemas, vem a solução e são as dificuldades que nos tornam melhores. Hoje eu sou uma pessoa muito melhor por causa dos meus filhos”, contou.

Solteiro, o processo de adoção levou quatro meses e a chegada dos filhos Ângelo e Lúcio, que na época tinham 10 e 14 anos, trouxe ensinamentos, mais alegria e encantou todos ao seu redor. “Eles são incríveis, sempre foram muito gentis e cativantes. Sempre agregaram. Então o amor dos meus irmãos, tios, primos, mãe e pai com eles foi imediato”, afirmou Caetano.

De “Tio Fernando” para pai

Com um instinto e desejo paterno presente desde a infância, Fernando reconheceu Lúcio e Ângelo como filhos antes mesmo da decisão de adotá-los. Ele realizava com frequência trabalhos voluntários na Casa Ana Caroline Tenório, era conhecido no local como “Tio Fernando”.  A conexão entre os três foi imediata e notada pelos servidores.

“Quando eu cheguei lá, a primeira criança que eu vi foi o Lúcio. Eu olhei para ele e ele para mim e todos perceberam. A partir daí ele começou a ficar do meu lado. Conheci o Ângelo semanas depois, ele notou a nossa união e foi se aproximando também”, contou.

A decisão

Fernando contou que não sabia da possibilidade judicial de adotar as crianças da Casa de Acolhimento e, quando foi informado, ficou feliz e ao mesmo tempo inseguro, pois adiou o sonho da paternidade com o medo dos desafios financeiros.

“Eu achava que não tinha estrutura e que não estava pronto. Mas me falaram o seguinte: ‘Eles precisam de amor, você tem para entregar?’. Eu respondi que tinha”, ressaltou.

Adoção e desafios superados

A família passou pela fase de adaptação, teve suporte psicológico, além do respeito de Fernando em lidar com a personalidade e traumas que os filhos carregavam por terem vivido em situação de vulnerabilidade social. Juntos também enfrentaram a pandemia e, segundo ele, essas dificuldades foram superadas.

“Teve uma época em que eu estava muito apertado e falei ‘O papai agora não pode comprar isso’. O Lúcio respondeu assim: ‘Pai, o importante não é o dinheiro que o senhor tem, e sim que estamos juntos e podemos passar por todos os problemas’”, relembrou.

Fernando ainda conta que, nesse período, descobriu uma nova profissão e absorveu diversas lições. “Eu era comerciante, tinha um aplicativo e precisei me reinventar. Passei a trabalhar como terapeuta holístico e hoje estou melhor que antes. A gente só conhece a si próprio quando temos os nossos filhos. Ser pai não é somente um elo sanguíneo, mas um sentimento”, expressou.

Ensinamentos

Ter um lar, suporte, receber amor, carinho e educação são motivos de muita alegria para os irmãos. Atualmente, Lúcio está com 21 anos e Ângelo com 16. Eles contam o quanto aprendem com o pai.

“Ele é acolhedor, o meu porto seguro, me ensinou a ter responsabilidade, o poder das palavras e o cuidado nas escolhas, pois tudo tem uma consequência”, contou Lúcio.

“Meu pai é uma motivação para eu viver e continuar com os meus objetivos. Penso em terminar os meus estudos e seguir os meus sonhos”, finalizou Ângelo.

 

Site: www.araguaina.to.gov.br

Fan Page: www.facebook.com/NossaAraguaina

Twitter: www.twitter.com/NossaAraguaina

You Tube: http://goo.gl/T6yXOQ

Você pode gostar também

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por não aceitar, se desejar. Aceitar Saiba Mais